Pular para o conteúdo

Ela não pertence à humanidade porque Ela, na verdade, é uma com a vida humana em vários níveis. Portanto, embora não seja errado, não é totalmente correto afirmar que existe um despertar da consciência. E, mesmo que houvesse, em nada seria esse fato digno de especialidade, reverência mística ou coisa semelhante. A Consciência é tão natural à humanidade quanto a própria qualidade da matéria humana.

Corpo e alma fazem parte de uma dicotomia que surge apenas para simplificar o aprendizado assim como facilitam a comunicação os códigos das linguagens. A humanidade é tão esplêndida que foi necessário dividi-la em partes e partículas. De algum modo, o apreço demasiado pela matéria criado pelos homens é também em virtude do encantamento diante da magnitude da obra Divina. É um desafio e tanto não embriagar-se dos milagres de Deus. Inoportunamente, o encantamento levou à dormência e, em muitos casos, à paralisia. Dormem os humanos enquanto correm achando que isso é vida.

Mas é chegada a hora de acordar. E quem acorda é a humanidade e não a Consciência que, assim como Deus - sendo Uma com Ele, sempre esteve firme em presença. Se você entende a consciência como um mecanismo da mente humana, pelo fato de não haver outra palavra que a substitua, pode ser correto dizer que, em algum momento da vida, ela é despertada. Neste caso, talvez, você esteja reduzindo a consciência a um processo meramente cognitivo de poder-se ser ciente.

O fato é que a Consciência nunca dorme, nunca se abstém do seu serviço, nunca se permite entorpecer simplesmente porque não é de sua natureza. É viva a Consciência e é consciente a Vida. O despertar, como denominam os humanos, é somente o avançar, o subir para tomar posse de mais um nível de profundidade e riqueza da própria existência à qual nada falta. Vejam que o ato de dormir, todas as noites, é como desacelerar simplesmente. A vida não para; nem por um momento. Tudo se mantem em circulação. Ar, sangue, informações, etc. A vida segue fluxos substanciados pela natureza, necessários, dinâmicos e inter-relacionados - que se transformam à medida que tudo é transformado também. Coexistem o transformador e o transformado - tanto no conceito quanto naquele ou naquilo que age e recebe.

É sofisticado o Plano Divino. Nada foi esquecido. Mas é tão simples, também, que não existem pontas soltas. É como uma história contada a partir da verdade. Quando irmãos "têm" a mesma ideia, em momentos distintos (não separados, apenas distintos), é porque acessaram o mesmo ponto da Consciência Divina da qual fazem parte indistintamente. São muitas as provas vivenciadas, minuto a minuto a respeito da pureza da obra de Deus. E, por mais que os sentidos se neguem a conceber os fatos da realidade, a Consciência, de cada um e de todos, acessa-os sem resistência. Confiar nisso é uma liberdade e tanto. Confie! O lugar da Consciência É dentro e ao redor, acima e abaixo, no passado e no futuro - crenças simplórias do presente. Portanto, os humanos, independente do caos instalado, estão sempre avançando para direções mais elevadas da Consciência quando compreendem a Verdade da Criação.

Despertar para a Consciência é despertar para a vida que não se interrompe mas se recria. Renovação, amplidão, florescimento abundante, escambo permanente; tudo isso reflete a caminhada na direção e em meio à Consciência Divina. Despertar está mais para aceitar. Aceite!

Texto escrito com o suporte amoroso de Toda a Fraternidade Branca. Gratidão!

Compartilhar